Cessacionismo: A doutrina final do AntiCristo.

 

A Escritura está completa, e a fé cristã tem sido conclusivamente revelada e definida. Falsas religiões adicionam, reveem e contradizem as Escrituras, suas palavras e suas doutrinas. Revelações carismáticas nunca devem acrescentar, rever ou contradizer as Escrituras. Se alguém diz que elas devem, então, esse é um herege. Ele deve ser confrontado e até excomungado. Mas isto não tem nada a ver com a ideia de que Deus fala ao seu povo hoje. Cessacionistas cometem exatamente essa heresia condenável, acrescentando, revisando e contradizendo as Escrituras. Eles impõem a doutrina do cessacionismo sobre a Escritura na sua pretensão de proteger a Escritura. Eles são os piores hereges.

A fé cristã tem sido “uma vez por todas” revelada e definida (Judas 3). Isso não contradiz a afirmação bíblica de que Deus concederia vários tipos de revelações as pessoas (At 2:17-18; 1Co 14:26). Em vez disso, “uma vez por todas” garante tais revelações e a certeza de vários tipos de conhecimento privado (Rm 8:16, Ap 2:17). Isto é parte integrante e permanente do Evangelho, declarado e prometido daquele que poderíamos chamar de o primeiro sermão apostólico (At 2:39). Deus “uma vez por todas” declarou que falaria ativamente aos cristãos pelo seu Espírito. Ele já disse isso. Ninguém pode mudar isso. Ninguém tem qualquer base ou direito para declarar o contrário. Quem o faz, permite que a tradição e a incredulidade suprimam a própria Escritura que pretende defender; torna-se um religioso hipócrita e charlatão.

A doutrina de que milagres em geral e profecia em particular ameaçam a integridade das Escrituras é uma das fraudes teológicas mais bem sucedidas e destrutivas da história. Faz com que os cessacionistas pareçam heróis, quando na verdade estimulam a vilania. A afirmação de que não há mais nenhuma profecia não é capaz de proteger a ideia de que a Escritura está completa. Somente Deus é o autor da Escritura, não os profetas, não os apóstolos e não a profecia. Se a noção de que Deus parou de escrever as Escrituras é insuficiente para garantir que há completude, então adicionar a suposição de que a profecia cessou não mudaria nada, porque a escrita das Escrituras nunca dependeu da profecia em primeiro lugar.

Os Cessacionistas pensam que o fato da providência de Deus ao ter parado de escrever as Escrituras não é suficiente para garantir que as Escrituras estejam completas, mas teríamos que também parar os milagres e os dons do Espírito. No entanto, apenas Deus foi o autor real das Escrituras — ela veio diretamente de seu próprio fôlego (2Tm 3:16). Portanto, de acordo com esse modo de pensar, a única maneira de garantir que a Escritura esteja completa seria Deus morrer. Como Deus vive, é irrelevante se um dia houve profecia ou se a profecia continua. De acordo com esse raciocínio Deus é o maior inimigo da Escritura, não os carismáticos. Se Deus está morto, então, obviamente, não haveria nenhuma profecia, e os carismáticos seriam ainda menos relevantes para a questão. Eles nunca foram o problema. O problema é Deus ou os cessacionistas. O cessacionismo é demoníaco porque, em princípio, para fazer qualquer sentido ou tenha qualquer relevância, Deus deve morrer. Esta é a heresia-mestra, a doutrina final do anticristo.


Título original: The Ultimate Anti-Christ Doctrine 

Tradução: Dione Jr.

Comentários

Categorias: PROFECIAS

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não pode ser publicado.