Confissão de Fé Azusa Street: Doutrina e disciplina de William J. Seymour

A Fé Apostólica: Uma Visão Geral da Doutrina

A Fé Apostólica propõe a restauração da fé que foi uma vez entregue aos santos, à religião dos velhos tempos de reuniões de acampamento, avivamentos, missões, trabalhos missionários de rua e a unidade dos cristãos em todos os lugares. De acordo com a Palavra de Deus (Jo 17: 20,21).

  • Ensinar sobre o arrependimento (Mc 1: 14,15).
  • Tristeza por haver pecado (Mt 9:13; 2ª Co 7: 9,11; At 3:19; 17:30).
  • A confissão de pecado (Lucas 15:21; 18:13).
  • Restituição e fé em Jesus Cristo (Ez 33:15;. Lc 19:18).
  • Ensinar que Jesus morreu por nossos pecados e ressuscitou para nossa justificação (Rm 4:25).
  • A primeira obra da graça: Ou seja, que a Justificação é o ato da livre graça de Deus, pela qual recebemos a remissão dos pecados (Rm 3:25; At. 10: 42,43; Rm 5: 1,10; Jo 3:3,14; 2 Co 5:17 ).
  • A segunda obra da graça: O Espírito Santo chama o segundo trabalho de “segundo benefício.” A margem se lê a “segunda graça”. E na Siríaca lê que você pode receber a graça “em dobro” (2 Co 1:15).
  • Santificação é segundo a obra da graça e é aquele ato da graça de Deus pela qual Ele nos faz santos na doutrina e em nossa vida (Jo 17:15, 17; Hb. 13:12; 2:11; Hb 12:14.). Jesus explicou as Escrituras a seus discípulos antes de voltar para o céu (Lc 24:24-50). Ensinou sua doutrina a eles bem antes que fosse para o céu, por isso, quando formos santificados Jesus nos ensinará a Bíblia também, bendizei o Senhor.
  • Santificação é uma limpeza para tornar santo. Os discípulos foram santificados antes do dia de Pentecostes. Pelo estudo cuidadoso das Escrituras, você irá encontrar. “Vós estais limpos pela palavra que vos tenho dito” e Jesus soprou sobre eles o Espírito Santo” (Jo 15:3; 13-10; 20:21,22). Se entende que eles não poderiam receber o Espírito, se não estivessem todos limpos. Jesus os limpou e tirou todas as dúvidas de sua igreja antes de voltar para a glória. Os discípulos tiveram a graça do Espírito antes do dia de Pentecostes. Os discípulos tinham um enchimento do Espírito antes do dia de Pentecostes. Havendo Jesus purificado o santuário e tendo eles o testemunho em seu coração que Ele era o Senhor ressuscitado, e o Salvador, estavam sempre eles no templo louvando e bendizendo a Deus (Lc 24:51,53).
  • O batismo no Espírito Santo e com fogo significa ser inundado com o amor de Deus e do poder para o servir, e um amor pela verdade como ela está na palavra de Deus. Então, quando nós recebemos temos os mesmos sinais que os discípulos receberam no dia de Pentecostes. O Espírito Santo nos dá uma mente sã, fé, amor e poder (2ª Tm. 1:7). Este é o padrão  que Jesus deu à igreja.
  • A maior prova de que o Espírito Santo habita no crente é o cumprimento do que Jesus Cristo prometeu que faria. Ele prometeu que iria nos ensinar todas as coisas, e trazer todas as coisas à sua lembrança, o que Eu vos tenho dito. (Jo 14:17-26; 16:7-15). Então, quando Ele vem, Ele faz isso no crente, pois Ele faz isso por mim.
  • Buscando a cura: Temos de acreditar, com grande alegria, que Deus é capaz de curar “Eu sou o Senhor que te sara” (Ex 15:26; Tg 5:14; Sl 103:3; 2ªRs 20:5; Mt 8:16,17; Mc 16:16-18). “Eis que eu sou o Senhor, o Deus de toda a carne; há alguma coisa que Eu não possa realizar?” (Jr 32:27; Lc 24:52,53).
  • Deus, o Espírito e a Palavra são um só. Eles são as duas testemunhas mencionadas em Zacarias 4:3-14 e Apocalipse 11:3. Quando estas duas testemunhas não são reconhecidas, ocorre todo tipo de confusão  na igreja.
  • Muitos têm confundido a graça da santificação com o revestimento de poder ou o batismo no Espírito Santo. Outros tomaram “a unção” que recebemos depois de sermos santificados pelo batismo e não conseguiram alcançar a glória e o poder de um verdadeiro Pentecostes (Jo 20:21-24; At 2:3-4).
  • Nós lemos no segundo capítulo de Colossenses: “Cuidado para que nenhum homem vos faça presa sua por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo.” Este capítulo nos diz a respeito de Cristo apagando o manuscrito de ordenanças que estavam contra nós, e estou feliz por que ele pregou essas ordenanças na cruz juntamente com Ele. Ele as levou para fora do caminho, cravando-as na cruz. Bendito seja o Senhor. Estes foram velhos preceitos judaicos, sábados, novas luas, circuncisão a ceia da Páscoa, e assim por diante. Mas Jesus tem ordenanças em sua igreja. Bendito seja Seu querido nome.
  • Três ordenanças o próprio Cristo instituiu para sua Igreja. Primeiro, Ele manda Seus ministros para batizar na água em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo e isso foi praticado pelos apóstolos (Mt 28:19; At 32:38; 22:16; Atos 8:12,17). O eunuco foi batizado (At 8:35); o apóstolo Paulo foi batizado. Então podemos encontrar em Atos muitos casos onde o batismo foi praticado depois que João Batista havia morrido.
  • Acreditamos no batismo nas águas. Nosso modo é somente por imersão, e unicamente, em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Mt. 28:19,20; 2ª Co 13:13; e com muita luz o Espírito Santo irá revelar a nós a Sua palavra.
  • Em segundo lugar, o lava-pés é uma ordenança que o próprio Jesus instituiu em Sua Igreja, e nós, Seus seguidores, devemos observá-la. Pois nos mandou guardar todas as coisas que Ele nos ensinou. Então nós acreditamos que temos de reconhecer estes três decretos.
  • Acreditamos no lava-pés; acreditamos que seja uma ordenança. Jesus disse, em João 13-17, “Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros por que eu vos dei o exemplo, para que façais como eu fiz a vocês. Em verdade, em verdade vos digo, o servo não é maior do que o seu Senhor: nem o que é enviado maior do que aquele que o enviou. Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.
  • Acreditamos na ordenança da Ceia do Senhor, como é estabelecido em 1ª Coríntios 11:2, 23-34 e Mt. 26:26-29. Nós praticamos tomando o vinho não fermentado e comendo o pão sem fermento.
  • Nós os ministros, devemos ser maridos de uma só mulher (1ª Tm. 3: 2; Tt 1: 6-9). Portanto, nós não apoiamos casamentos que não estão de acordo com a Bíblia (Rm 7: 2-4; 1ª Co 7:39).
  • Em Mt. 19:3-9; 5:32 e Mc 10:5-11, Jesus restaurou o casamento de volta para o padrão edênico. Muitos se confundem sobre o significado dessas passagens. Se o marido ou esposa provocou os pecados mencionados por Jesus e não são legalmente  casados, ou enquanto o primeiro marido ou a mulher ainda está viva. Eles devem arrepender-se a Deus e ser reconciliados um com o outro “como Cristo perdoa por isso devemos perdoar” (1ª Co 7:11). Se um homem ou uma mulher se casam e qualquer um tem um marido vivo ou esposa, e continuam a viver juntos em prática de fornicação e adultério, o partido que tem um marido vivo ou esposa deve ser posto de lado pelo outro, deixando o homem ou a mulher que não tem companheiro livre para se casar novamente com alguém que também está solteiro (1ª Co 7:2; Mt 19:9).
  • Nós não pretendemos fazer desta doutrina do divórcio um hobby, mas acreditamos que na verdade seja comparando passagem com passagem, que ninguém nesta obra pode se casar com o segundo marido ou a segunda esposa, enquanto o primeiro está vivo (Rm 7: 2,3,4; 1ª Co 7:10,11; 1ª Co 7:39; 1ª Tm 3:9; Mt 5:32; Lc 16,18; Mc 2-12).
  • Bishop Hurst diz, em sua História da Igreja, que o dom de línguas tem aparecido em comunidades sob poderoso estímulo religioso, como entre os Cornisards, no início dos Quakers, Lasare na Suécia em 1841-1843, no avivamento irlandês em 1859, e na Igreja Católica Apostólica (Irvingite) (Vol. 1, página 90).
  • Posso dizer, por meio do poder do Espírito, que onde quer que Deus possa obter um povo que se reúna em concordância e um só pensamento na Palavra de Deus, o batismo do Espírito Santo cairá sobre eles, como na casa de Cornélio (Atos 10: 45,46). Isso significa estar em comunhão, como a palavra diz em Atos 2: 42,47.
  • Queridos amados, as promessas de Deus são verdadeiras. Lemos em Êxodo 12: 3,que Deus ordenou a Moisés  tomar um cordeiro para uma casa e uma casa para um cordeiro quando estava prestes a levar o povo para fora do Egito. Louvado seja seu Santo nome, amém! Eles mataram o cordeiro e pegaram seu sangue para passarem sobre os dois umbrais  da porta e os lados para salvá-los do destruidor. Mas na própria casa eles foram instruídos a comer o carne. O sangue os salvou do destruidor, mas a carne do cordeiro os salvou de doenças e enfermidades. Glória ao Seu Nome! Que possamos obedecer a Palavra e a voz de Deus e sermos salvos através de Jesus dos pecados e que nos regozijemos  em seu corpo perfeito. Jesus é o fundador de sua igreja, a igreja cristã, por seu próprio sangue precioso. Aleluia! Portanto, Jesus é a Páscoa cristã. Quando os judeus comem a Páscoa eles se lembram de Deus trazendo-os para fora do Egito e apontam para a Sua vinda. Portanto, comer a Páscoa cristã é lembrar-se do Calvário, como Jesus morreu e nos salvou, e estarmos ansiosos para Sua vinda novamente.
  • O cordeiro de Moisés era uma especie de Cristo, o verdadeiro Cordeiro, então Cristo é o nosso Cordeiro, trazendo saúde ao nosso corpo imperfeito. Moisés foi o fundador da igreja judaica, por Deus, através do cordeiro pascal pelo sangue e o corpo do cordeiro. Mas Jesus é o Cordeiro de Deus, o fundador da igreja cristã.

Artigos das Doutrinas Alterados*

A Missão da Fé Apostólica, Rua Azusa, 312, apresenta as seguintes doutrinas, ordenanças e verdades, a saber:

Em primeiro lugar, conforme alterada: “A justificação pela fé, que nós interpretamos como sendo o “perdão dos pecados”, é o ‘novo nascimento’ de que fala João 3:1-13″ (também At 10: 42-43: Rm. 3:25). A doutrina da justificação não deve ser alterada.

Em segundo lugar, conforme alterada: “A santificação pela fé como uma segunda obra definitiva da graça no coração, que representa toda a limpeza, santificados de coração” (Jo 17:15-17; 1ª Ts 4:3-5; Hb. 2: 11-13; 10:10; 13:12). A doutrina da santificação não pode ser alterada.

Terceiro, conforme alterada: “O batismo com o Espírito Santo como um dom de poder sobre a vida santificada, e unção para o serviço e trabalho” (At 2:1-4; 10:45-46; 19: 6; 1ª Co 4:21).

Em quarto lugar, conforme alterada: “O falar em línguas sendo um dos sinais subsequentes dos crentes batizados e outras evidências da Bíblia, expulsar demônios, curar os doentes e os frutos do Espírito que acompanha os sinais “(1ªCo 13; Mc 16:16-19; At 2: 2-3; 10:44-45-46; 19: 6).

Em quinto lugar, conforme alterada: “Nós acreditamos e ensinamos que Deus planejou e Jesus ensinou que não poderia haver nenhuma santa união entre homem e mulher após divórcio por qualquer causa, desde que ambas as partes da primeira aliança estivessem vivos” (Mal 2:14-17; Mt 5:32; 19: 3-9; Mc 10:11-12.; Lc 16,18; Rm 7:1-4; 1ª Co 7:39).

Sexto, conforme alterada: “Acreditamos na ordenança do batismo nas águas, e ensinamos que a imersão é o único modo, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, apenas um mergulho, em nome da Trindade. “

Em sétimo lugar, conforme alterada: “Acreditamos na ordenança da Ceia do Senhor como instituída por Jesus e seguida pelos apóstolos, e ensinamos que deve ser frequentemente observada em santa reverência.”

Nós não apoiamos batismos de bebês ou crianças antes de estarem na idade de responsabilidade. Uma criança pequena não pode crer conscientemente.

Em oitavo lugar, conforme alterada: “Nós acreditamos no lava pés como uma instituição, uma vez que foi estabelecido pelo nosso Mestre antes da ceia do Senhor, de acordo com João 13:4-18, e acreditamos que ele foi praticado pelos apóstolos e discípulos através do primeiro século” (1ªTm. 5:10).

Para pertencer a esta fé deve se obedecer a seus ensinamentos.

Artigos alterados DE INCORPORAÇÃO

Considerando que, em uma reunião dos membros da Missão da Fé Apostólica, uma corporação com regularidade e legalidade convocada e realizada na sede da referida na Rua Azusa 312, Município de Los Angeles, Estado da Califórnia, no dia 19 de maio de 1914, na hora de 19:30hs todos os membros da referida Missão da Fé Apostólica em boa posição estavam presentes e votantes, foi determinada por resolução aprovada e adotada por unanimidade, devidamente registrados, alterar os artigos da mesma, à saber: no dia 24 de abril de 1907 , devidamente arquivado no escritório do município de Los Angeles, Estado da Califórnia; os referidos artigos alterados e a constituição que é uma parte destes artigos de incorporação, conforme estabelecido a seguir foram lidos, devidamente considerados e aprovados pelos membros da referida Missão de Fé Apostólica; que na referida data e no local do referido conselho dos administradores da referida Missão de Fé Apostólica, na sua reunião devida e regularmente convocada, por unanimidade, adotara as alterações abaixo incluindo a referida Constituição, que são uma parte destes artigos alterados de incorporação.

Agora, portanto, estes artigos alterados na incorporação e constituição, testifica:

I – Que o nome desta corporação deve ser A Missão da Fé Apostólica e deve ser feita em prol dos interesses e para o benefício das pessoas de cor do Estado da Califórnia, mas as pessoas de todos os países, climas e nações serão bem-vindas.

II – Que o propósito para o qual esta corporação é formada é estar a fazer trabalhos evangelísticos, conduzir, manter, controlar, continuar, supervisionar e fundar missões e também avivamentos, reuniões campais, trabalhos nas ruas e prisões no Estado da Califórnia e em outros lugares, pelos seus membros, e aqueles que se tornarem membros de conformidade com o estatuto e as leis e os princípios e crenças da Missão da Fé Apostólica; para estabelecer escolas dominicais, supervisionar e levar adiante o empenho apostólico. Ela deve ter o poder de adquirir tais bens móveis e imóveis que possam ser necessárias para a sua utilização na realização de seus fins e objetos, e dispor dos mesmos quando não sejam mais necessários para a sua utilização. Ela deve ter o poder de onerar toda a propriedade, real e pessoal, de sua propriedade, quando julgar conveniente assim fazer; e, geralmente, praticar todos os atos necessários  para realizar mais plenamente os seus objetivos atrás referidos.

III – Que o lugar principal  da Pessoa Jurídica a ser tratado é a cidade de Los Angeles, Município de Los Angeles, Estado da Califórnia.

IV – Que o termo de existência dessa incorporação é de cinquenta anos após a data inicial  da incorporação .

V – O número de seus administradores deverá ser de três ou cinco, e os nomes e endereços do abaixo-assinados, que são aqui nomeados como administradores da corporação para o primeiro ano após a apresentação desses artigos são:

Spencer James, 1632 West 35th Place, Los Angeles, Califórnia

James Ross,Rua Azusa 312 , Los Angeles, Califórnia

E o nome e residência do nomeado para os dois primeiros anos é:

Richard Asbery, Rua Azusa 312 , Los Angeles, Califórnia

E os nomes e residências dos nomeados para os primeiros três anos são:

Rev. W. J. Seymour,Rua Azusa 312 , Los Angeles, Califórnia

Jennie E. M. Seymour, Rua Azusa 312 , Los Angeles, Califórnia

Que os referidos administradores estão a ser selecionados na forma prevista do estatuto e leis da Igreja Fé Apostólica.

VI – que no dia 19 de maio de 1914, na cidade de Los Angeles, Município de Los Angeles, Estado da Califórnia, uma eleição foi realizada pelos administradores; que informaram que a eleição foi realizada em conformidade com a decisão tomada na última reunião prévia regular da referida Missão da Fé Apostólica, realizada no dia 12 de junho no escritório da referida Corporação na cidade de Los Angeles, Município de Los Angeles, Estado de Califórnia; que a notificação da reunião para a eleição de diretores ou administradores foi dada aos membros da referida Missão da Fé Apostólica; que a maioria dos membros da corporação que estavam presentes votaram em tal eleição, e que o resultado disto foi que os administradores acima nomeados foram devidamente eleitos para os respectivos termos.

VII – Que esta Pessoa Jurídica não tem capital social e não é formada para o lucro.

CONSTITUIÇÃO DA MISSÃO APOSTÓLICA FÉ

Artigo A

Seção 1. O nome desta sociedade deve ser a “Missão da Fé Apostólica.”

Seção 2. Os objetos desta corporação são definidos em “II” dos artigos alterados como demonstrado anteriormente.

Seção 3. Não deve haver discussões políticas ou quaisquer outras discussões contrárias à lei de Deus. O bispo deve decidir quais discussões devem ter lugar na missão.

Artigo B

Esta missão deve ter jurisdição sobre todas as missões subordinadas que venham a ser formadas ou estão sob a supervisão desta missão. Ela tem o direito e o poder de conceder cartas para missões subordinadas formadas a seguir, ou de suspender ou anular ou revogar a mesma para causa própria.

Artigo C

Esta missão será constituída por um bispo, um vice-bispo, um secretário, um tesoureiro, cinco administradores, três diáconos, duas diaconisas, dois anciãos, um superintendente.

de escolas dominicais, um superintendente de diligência apostólica. O bispo, vice-bispo e administradores devem ser pessoas de cor.

Artigo D

A missão realizará sua reunião anual na primeira segunda-feira de abril de cada ano, às 19:30. Haverá outras reuniões como o bispo puder eleger.

Artigo E

Os oficiais eletivos serão os conselheiros dos administradores eleitos da seguinte forma: dois para um ano, um para dois anos e dois para três anos. Todos serão eleitos por voto  “sim” ou “não”. Os administradores foram eleitos como anteriormente estabelecido. Após o primeiro ano haverá apenas três administradores. O bispo e sua mulher serão administradores para a vida.

Artigo F

O fundador e organizador da missão será o bispo. Ele deve ser uma pessoa de cor, inteiramente convertido e santificado.

Artigo G

Os outros diretores, administradores e bispos, serão nomeados pelo bispo a exercer o cargo; durante esse tempo o bispo pode dirigir e estará sujeito a remoção.

O bispo deve aprovar todos os membros inseridos nesta missão, conceder cartas, estabelecer regras e disciplina para a orientação da missão. Presidir e liderar em todas as reuniões. Nomear todos exceto os administradores. Remover todos os funcionários, exceto os administradores praticar todos e quaisquer outras e outras funções que lhe delegam ao longo do tempo. O bispo e a sua mulher serão administradores para o tempo de vida. O bispo e a sua mulher serão administradores a frente da igreja. O bispo poderá remover algum administrador apenas se ele não obedecer às leis e doutrinas da igreja.

O vice-bispo será nomeado pelo bispo e ele será um homem de cor que tem servido a missão bem e fielmente. Suas funções são as seguintes: Após a morte, destituição, renúncia ou impedimento do bispo, o vice-bispo sucederá o bispo. O vice-bispo deve auxiliar o bispo como ele deve dirigir. Ajudar o bispo a ordenar pregadores do evangelho, bem como missionários.

Os deveres dos demais Diretores serão como o bispo ordenar.

Artigo H

Haverá outras comissões que o bispo poderá convocar e de vez em quando selecionar, tudo está sob a direção do bispo e do interesse da missão.

Artigo I

Poderá haver quaisquer outras missões subordinadas, de tempos a tempos,a ser estabelecida. Que, a pedido escrito de não menos de vinte e cinco pessoas convertidas, uma missão poderá ser fundada e estabelecida. Deve ser aceita uma resolução pelas referidas vinte e cinco pessoas no sentido de que elas desejam fundar uma Missão da Fé Apostólica. A resolução expressando seu desejo deve ser encaminhada para esta missão. Se o bispo está de acordo com a resolução, ele pode então proceder à concessão de uma carta à referida missão, que estará sempre sob o controle e supervisão desta missão. Quando a referida carta patente for concedida, a referida missão torna-se uma parte desta missão.

Artigo J

O bispo terá o poder de ouvir todos os assuntos relativos à expulsão de qualquer membro da referida missão e de qualquer missão subordinada.

O bispo terá o poder de expulsar ou suspender qualquer membro por qualquer má conduta ou por quaisquer violações das Escrituras. Cada membro contra o qual qualquer acusação é arquivada terá uma audiência perante o bispo e dois outros membros ou funcionários escolhidos pelo bispo. Depois de ouvir as provas do referido membro ele pode ser expulso ou suspenso desta missão, seja bispo ou membro da ordem. Mas ninguém pode ser expulso ou suspenso da associação sem o consentimento do bispo.

Artigo K

Esta Constituição poderá ser emendada na forma prevista pelo consentimento do bispo ou estatutos.


Título original: William J. Seymour’s Doctrine and Discipline. The Apostolic Faith: A Doctrinal Overview

Tradução: Fernando Gomes

Comentários

Categorias: Avivamentos,Batismo no Espírito

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não pode ser publicado.