O desconhecido avivamento brasileiro da década de 60: Parte 1

Alguns anos atrás eu fui à biblioteca do Reformed Theological Seminary, no Estado da Flórida, nos Estados Unidos. Olhando os livros nas prateleiras, um deles chamou especialmente minha atenção. O livro Atlas of World Christianity (Atlas de Cristianismo Mundial) disponibilizava um gráfico na página 33, com uma lista dos avivamentos do protestantismo histórico. No gráfico, foram listados os países em que os avivamento aconteceu e o ano de quando começaram.

Particularmente, a informação de que o Brasil havia sido alcançado por um avivamento no ano de 1952 moveu meu coração para adquirir a obra. A despeito de ser descendente de protestantes, sou também filho do ministério do evangelista Raymond Boatright, que liderou o Avivamento do Brasil iniciado em 1952 na cidade de São João da Boa Vista e explodiu na cena nacional na cidade de São Paulo em março 1953.

Boatright era um pentecostal americano, e eu tenho história com ele. Antes de morrer em 1980, ele me mandou continuar o seu trabalho no Brasil.[1] Desde então, tenho tentado cumprir o mandato que ele me deu em prol do país e povo que o Boatright amava com todo coração. Eu amo o Brasil e a obra de Deus, e  a despeito de ser um norte-americano, meu coração está aqui.

A minha história com Raymond Boatright começou depois de uma criação enraizada nas doutrinas de protestantismo herdado de minha família, da comunidade, e na Igreja Luterana. Aos 21 anos, depois de uma busca de oito meses cujo alvo foi o melhor conhecimento do poder do Espírito, fui batizado no Espírito Santo sob o ministério de Raymond Boatright em dezembro 1969, na cidade de Los Angeles, Califórnia. Quando aconteceu, eu sabia quase nada acerca dos pentecostais — mas conheci o poder do Espírito Santo quando ele me encheu.

Depois disso, fui discipulado por Raymond Boatright no decurso de quase três anos[2] e ordenado pela imposição de suas mãos. Em 1980 na cidade de São Paulo, acompanhei Boatright em sua última missão no Brasil. Foi naquela missão que Boatright me apresentou à Sra. Ada Silveira Lima e à igreja central da denominação fundada por seu marido, o reverendo Epaminondas Silveira Lima.[3] Boatright me introduziu como seu filho na fé e o homem americano que ele apontou de continuar a sua obra no Brasil. Na mesma missão, fui introduzido na mesma maneira ao Rev. Manoel de Melo, o fundador de Brasil Para Cristo.

No aeroporto de Congonhas, uma hora antes da minha volta aos Estados Unidos, por acidente providencial, Boatright e eu nos encontramos com o Pr. Bernard Johnson, grande evangelista da Assembleia de Deus. Boatright ficou no Brasil por mais algumas semanas, mas eu e Bernard Johnson voamos no mesmo avião e tivemos uma boa conversa durante o voo.[4]

Logo depois daquela missão, Boatright foi assassinado em Los Angeles por um ladrão armado. Foi um grande choque e ainda lamento a perda prematura do meu “pai” na fé. Porém, depois da morte de Boatright, Deus me fez responsável em abraçar a minha parte da obra de Deus no Brasil.

Sobre os anos com Boatright, ele compartilhou muitos registros a respeito do Avivamento brasileiro, e o objetivo deste artigo é compartilhar minhas memórias das coisas que ele compartilhou comigo e com muitos outros de meus amigos.

Creio que o conhecimento de nossa historia é importante. As colônias norte-americanas da Inglaterra experimentaram o Grande Despertamento nos idos de 1700. Eu acredito que não se pode entender a obra de Deus nos EUA sem entender este grande avivamento. Da mesma maneira, não podemos entender a obra de Deus no Brasil sem que entendamos o Avivamento do Brasil que começou em 1952.

O INÍCIO DO AVIVAMENTO

O Atlas daquele livro adquirido no Reformed Seminary está correto. De fato, o Avivamento do Brasil começou em 1952 quando o Boatright conduziu uma missão de pregação evangelística no interior do Estado de São Paulo. A base do movimento foi uma casa em São João da Boa Vista, SP.[5] O intérprete de Boatright era Harold Williams, um amigo pessoal e missionário americano da Igreja do Evangelho Quadrangular. Harold Williams é reconhecido hoje como o fundador da Igreja do Evangelho Quadrangular no Brasil. O Avivamento explodiu no cenário nacional em março do ano seguinte (1953), quando Boatright pregava na Igreja Presbiteriana Independente no bairro do Cambuci, na capital paulistana.

Abaixo alguns desdobramentos históricos diretamente relacionados com o avivamento brasileiro.

1952

No interior de São Paulo em 1952 o Boatright trabalhou como evangelista itinerante que queria invadir a escuridão espiritual com o evangelho de salvação.

A minha lembrança dos seus relatos dão conta que sua primeira pregação no Brasil aconteceu numa igrejinha bem simples. Era como um barraco com piso de terra batida. Foram poucas pessoas naquela reunião.[6] Uma das pessoas era uma moça com mais ou menos 20 anos que sofria de possessão demoníaca, fisicamente retorcida e sem habilidade de falar. Boatright disse que ela rosnava como um animal e estava controlada por laços tomados por seus pais cada um segurando com força as cordas amarradas aos braços dela.

Segundo Boatright, ele tomou posição em frente do pequeno grupo com seu amigo e intérprete. A primeira coisa o Boatright fez foi perguntar a Deus, em alta voz, “Ó Deus, onde está o avivamento que o Senhor me prometeu aqui no Brasil?” A promessa foi feita quando Deus chamou Boatright para ir ao Brasil enquanto ele pregava em uma tenda no estado de Ohio nos EUA.[7] O Espírito Santo respondeu à pergunta do Boatright ao indicar a moça endemonhiada. “Ai é seu avivamento,” diz o Espírito Santo a ele. O diálogo que se segue reporta a conversa entre Harold Williams e Boatright:

Boatright: “Traga aquela moça até mim.”

Harold: “O que pretende fazer?”

Boatright: “Vou expulsar o demônio dela,”

Harold: “Não pode fazer assim, estamos no Brasil.”

Boatright: “Observe”

Boatright impôs as mãos sobre ela e ordenou que os demônios saíssem em nome de Jesus. Imediatamente vários demônios obedeceram-lhe a ordem e saíram da moça. Então ele orou pela cura do corpo distorcido da moça, e ela foi curada imediatamente diante dos olhares de todos os que estavam presentes. Seu corpo não apenas voltou ao estado normal, como ela voltou a falar glorificando a Deus em alta voz.

O temor de Deus entrou aquele lugar simples e, assustados, o grupo inteiro correu em disparada para longe dali.

Na manhã do dia seguinte, uma grande multidão se reuniu ao redor da barraca, e depois da pregação e oração muitos foram salvos e curados.

O método de Boatright naquele primeiro tour de pregação foi de entrar pelas vilas e nas pequenas cidades sem noticia anterior e tomar uma posição na praça ou qualquer outro lugar central. Daí ele atraía um grupo de ouvintes por tocar a sua guitarra e cantar músicas evangélicas de época. Depois, ele sempre pregava com Harold interpretando e orava em favor dos enfermos e Deus respondeu realizado dezenas de curas e milagres.

As vezes ele pregava dos degraus da Igreja Católica situada na praça. Nos anos 1970, nos Estados Unidos, ele sempre enfatizava que a igreja católica foi uma das chaves do sucesso do Avivamento porque ela havia ensinado seu povo que alguém enviado por Deus fala da parte de Deus. Quando ele anunciava que foi ensinado por Deus para pregar o evangelho e orar pelos enfermos, a maioria dos seus ouvintes era de católicos sinceros e, portanto, o recebiam. Quando ele pregava que Jesus salva e cura, foi bem recebido com o resultado de que muitos foram salvos e curados. Ele, pentecostal, jamais foi contra os sinceros irmãos e irmãs da Igreja Católica Romana.

Vou deixar outros acontecimentos deste primeiro tour para outro tempo, mas começou assim este Avivamento. E como Boatright aprendeu no próximo ano na cidade de São Paulo, o Avivamento foi uma resposta divina das orações pelo Avivamento do Brasil feitas por crentes de várias denominações na cidade São Paulo e outros lugares durante os nove anos anteriores.

Depois de terminar o primeiro tour de evangelização, Boatright voltou ao seu lar na cidade de Los Angeles, Califórnia celebrando a obra que Deus havia feita no interior de São Paulo.[8] Harold, seu parceiro na campanha ficou no seu lar em São João da Boa Vista e se preparou para as obras do ano seguinte.

1953

Boatright voltou para o Brasil em 1953 e, no início, continuou a sua pregação itinerante no interior de São Paulo. Porém, depois algumas semanas, apesar de ter mais sucesso, ele ficou desanimado com os resultados. Sentia que Deus queria fazer mais e decidiu parar com a sua pregação e jejuar e orar por alguns dias buscando a orientação de Deus. Ele ficou hospedado numa casa de crentes em São João da Boa Vista, e foi naquela casa que ele e o grupo fizeram as suas petições a Deus.

Depois de quatro dias de jejum e oração, numa sexta feira (se eu bem me lembro corretamente), apareceu à porta da casa onde ele estava hospedado, a Sra. Ada Silveira Lima, esposa de Sr. Epaminondas Silveira Lima, um presbítero da Igreja Presbiteriana Independente no bairro de Cambuci, na cidade de São Paulo. Ela tomara conhecimento acerca de Boatright e do avivamento no interior, e, ao saber que ele estava hospedado em São João da Boa Vista, pediu licença ao seu pastor, o Rev. Silas Dias, para convidar o evangelista americano a pregar na sua igreja no domingo seguinte.

Crendo que o convite da Sra. Ada era de Deus, Boatright concordou em pregar no domingo seguinte no culto matinal. Foi esta igreja que havia orado desde 1944 pelo avivamento que estava a ponto de explodir bem no meio dela.

A fidelidade a Deus desta igreja, do Pastor Silas Dias, e do casal Epaminondas e Ada Lima, e outros, provou ser uma das chaves do Avivamento brasileiro. E de fato, Boatright sempre deu crédito aos intercessores fieis pelo Avivamento do Brasil. Para ele, eles eram os verdadeiros heróis daqueles dias.

O INÍCIO DO AVIVAMENTO NA IGREJA PRESBITERIANA INDEPENDENTE

Boatright pregou na Igreja Presbiteriana Independente do Cambuci no primeiro domingo do mês de março 1953. Ao invés de compartilhar minhas lembranças do que aconteceu, deixe-me passar às lembranças de uma testemunha dos acontecimentos, Pastor Cássio Rodrigues dos Santos, como publicado no livro de 2013, Os Heróis dos Avivamentos, escrito por meu amigo brasileiro, o Rev. Dr. Roque E. Lisa:

Havia sido anunciado do púlpito que viria um pastor americano para pregar na igreja a convite da irmã Ada, e o nome do pregador era Raymond Boatright. A igreja tinha umas 300 pessoas e o culto foi muito diferente. Eu nunca vi uma coisa igual. Nunca. Nem aquele tempo, nem agora, tenho visto cultos como aqueles. Ele era cowboy. Subiu no púlpito vestido com a roupa de cowboy, com uma guitarra nas mãos, cantando e adorando a Deus em inglês, com musicas gospel country. Sua apresentação musical foi muito bonita. Enquanto ele cantava, a igreja vibrava. Foi realmente espantoso. Foi uma ação direta de Deus como jamais havia visto. Na segunda feira seguinte, o povo começou a chegar para participar da reunião com o cowboy americano. A igreja estava superlotada. No foi feito nenhuma divulgação em radio, jornal ou TV, mas a igreja tinha tantas pessoas que não cabiam mais dentro do templo. Na terça feira, o movimento de curas e milagres começou a acontecer com mais evidência, tendo paralíticos andando, cegos vendo. A noticia espalhou-se como fogo na palha. Na quarta feira, a Rua Barão de Jaguará ficou interditada de tantas pessoas que afluíam para assistir o culto. A igreja estava super lotada. Milhares de pessoas estavam na rua esperando a oportunidade de entrar para participar do culto. Os cultos começavam às 19 hs, e não tinha hora para terminar. Eu era diácono da igreja e não entendia o que estava acontecendo. Quando o Pastor Raymond Boatright pregava, dezenas de pessoas aceitavam Jesus e as pessoas eram curadas imediatamente das suas enfermidades. Um cidadão chegou na igreja de muletas. Após a oração, levantou as muletas e saiu andando, gritando que estava curado de sua paralisia. Um cego entrou na igreja, guiado por um parente. Quando recebeu a oração de poder, seus olhos se abriram e a igreja explodiu em louvor e adoração ao Senhor. Algo extraordinário Deus estava sendo operado naquela semana. Eu nunca tinha visto uma coisa como aquela acontecer. Havia um hospital na Av. Lins de Vasconcelos, por nome Cruz Azul. Daquele hospital várias camas com doentes foram levadas para a frente da igreja. O Pastor Raymond Boatright, percebendo o acúmulo de pessoas, saiu o orou do lado de fora da igreja. Todos os que foram levados para a frente da igreja recebiam a oração, eram curados imediatamente e voltavam andando para suas casas. As pregações do Pastor Raymond Boatright eram feitas em inglês, tendo o Pastor Harold Williams como intérprete. Não era uma pregação extraordinária, mas havia algo diferente quando ele pregava. Era como um fogo incendiando a igreja, fazendo o povo chorar pela presença do Senhor Deus. Eu cantava no coral e tive a oportunidade de ver os irmãos pegando uns nas mãos dos outros e chorando. Ninguém entendia nada. Eu perguntava o que era aquilo e ninguém sabia responder. Somente choravam pela presença do Espírito de Deus dentro do templo. Comumente, havia vizinhos da igreja aceitando a Jesus. Guardando lugar para outros vizinhos conhecidos, para que todos pudessem ver aqueles milagres que estavam ocorrendo na Igreja Presbiteriana do Cambucí. Quando o Pastor Raymond Boatright encerrou a campanha na sexta feira, havia uma multidão na rua, devido à multidão que acotovelava para receber os milagres que Deus estava realizando. Ao término do evento, alguém pediu ao Pastor Raymond Boatright para explicar qual era a diferença do que ele pregava e daquilo que eles estavam acostumados a ouvir nos cultos dominicais. Ele disse que era a mesma coisa, mas que ele cria nos dons do Espírito Santo que operava nos tempos dos apóstolos e que continuava a operar em nossos dias, explicou como deveríamos buscar tais dons pela ação do Espírito Santo, fazendo aqueles milagres que nós estávamos vendo naqueles dias.  Um grupo resolveu orar para receber também a manifestação dos dons espirituais, conforme o Pastor Raymond Boatright havia explicado. Muitos começaram a ser batizados com o Espírito Santo e começaram falar em línguas estranhas. Com tenho saudades destes momentos preciosos.[9]

Minha lembrança dos relatos de Boatright é que a campanha mudou para um grande campo aberto na cidade de São Paulo, de onde ele pregava às multidões. Estimava-se algo em torno de 100.000 pessoas por noite, que se reuniam para ouvir a sua pregação, e muitas pessoas foram salvas e curadas, inclusive o prefeito de São Paulo, curado de câncer em estágio avançado. Mas estas campanhas continuaram a acontecer no ano seguinte.

[…] continua


[1] Eu sabia por muitos anos o grande respeito que ele havia pelos ministros brasileiros, e jamais considerei meu apontamento por ele algo que conferiu algo mais do que uma obrigação para cumprir a minha responsabilidade em comunhão com colegas e superiores no Brasil. Boatright não me deu uma posição; me deu uma responsabilidade.

[2] O meu discipulado foi feito por meio da igreja que Boatright pastoreava, em que ele pregava nos domingos de manhã e noite, e cada noite terça a sábado. Assisti quase mil sermões de Boatright. Alem disso, eu tinha tempo privado com ele. Muitas coisas que eu aprendi concernentes o Avivamento do Brasil foram pregadas por Boatright. Aprendi outros detalhes do Avivamento em conversas particulares com ele. Minha esposa, a Lisa, que era a sua discípula também, e vários amigos que eram membros da igreja, ouviram as mesmas coisas como eu. Em adição, a primeira filha do Boatright, a Linda, tem permanecido como boa amiga no decurso de quatro décadas. Ela tem passado para mim outros detalhes e fatos que pertencem aos seus pais e o Avivamento do Brasil.

[3] O Rev. Epaminondas Silveira Lima faleceu uma semana antes de nossa chegada ao Brasil. O Boatright ficou muito triste porque o Nondas (como ele o chamou) era seu grande amigo.

[4] Durante a conversa com Pastor Bernardo Johnson no avião, ele me convidou participar numa conferência em Salvador, Bahia. Minha esposa e eu fomos à conferência, e o grande evangelista e sua esposa nos deram muita atenção e orientação a respeito da obra de Deus no Brasil. Apreciei até hoje a bondade do Pastor Bernado.

[5] Em 2011, eu me encontrei na igreja de Rev. Ricardo Feres, pastor da Igreja Evangélica de Pinheiros (São Paulo), um homem que foi criado naquela casa e bem lembrou sua família hospedando o Boatright em 1952.

[6] Boatright estimou que foram menos de vinte pessoas na igrejinha.

[7] A primeira filha do Boatright, a Linda, ainda se lembra a noite em 1951 no estado de Ohio, na grande tenda em que ele fazia campanhas de evangelização, quando Deus chamou seu pai para ir ao Brasil. Ele anunciou o chamado à multidão e levantou uma oferta pela missão utilizando o seu estojo de guitarra para receber a oferta.

[8] Ele nos disse várias vezes que o sucesso evangélico do primeiro ano teria sido suficiente para satisfazê-lo para o resto de sua vida. Mas Deus tinha muito mais para oferecer. Bem mais.

[9] Roque E. Lisa, Ph.D, Os Heróis dos Avivamentos (2013), pp. 59-62. O pastor Roque publicou este livro em 2013 e todos os exemplares foram vendidos. A segunda edição está sendo planejada.

Comentários

Categorias: Avivamentos

1 Comentários

  1. Pingback: O desconhecido avivamento brasileiro da década de 60: Parte 2 - Teologia Carismática

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não pode ser publicado.